BANRISUL

Deputado Zé Nunes diz que governo

Sartori abre mão de dividendos e

sacrifica o futuro

Zé Nunes coordena Frente Parlamentar em Defesa do Banrisul Público, lançada em março na Assembleia Legislativa - Agência Alergs

Zé Nunes coordena Frente Parlamentar em Defesa do Banrisul Público, lançada em março na Assembleia Legislativa

Agência Alergs

Ao anunciar a venda de ações ordinárias e preferenciais até o limite de 49% da composição acionária do Banrisul, o governo Sartori comprova que a instituição financeira sempre esteve na mira e nos projetos de entrega do patrimônio público. A avaliação é do coordenador da Frente Parlamentar em Defesa do Banrisul Público, deputado estadual Zé Nunes (PT), para quem a medida significa abrir mão de receitas futuras permanentes em consequência da incapacidade de buscar fontes alternativas de recursos.

Mesmo que mantenha o controle do Banrisul – determinado pela Constituição estadual- o governo Sartori abdica de dividendos e lucros gerados pelo banco. Em 2014, foram R$ 248 milhões; em 2015, 228 milhões e, em 2016, R$ 153 milhões em dividendos recebidos pelo governo. “Significa vender o futuro para financiar o presente”, avalia.

“Na semana passada, surgiu a notícia do encerramento de agências em todo o país. Agora, a venda de ações. Qual será o próximo ataque ao Banrisul? ”, questiona o parlamentar. Zé Nunes tem advertido desde o início do processo de renegociação da dívida do Estado com a União que a intenção é incluir a instituição no rol de privatizações acordadas, hipótese admitida até mesmo pelo ministro Henrique Meirelles, mas reiteradamente negada por José Sartori.

“Não podemos ficar tranquilos, pois o governador desejou vida longa à TVE pouco antes de encaminhar o projeto de extinção da Fundação Piratini e de outras à Assembleia”, recorda Nunes.

O deputado enfatiza que a Frente Parlamentar continuará trabalhando para manter o caráter público do Banrisul, presente em 98,5% do território gaúcho, sendo a única agência bancária disponível em 96 cidades. Na sua opinião, o governo dispõe de fontes alternativas de recursos, a exemplo da cobrança dos créditos da Lei Kandir, que somariam R$ 46 bilhões.

Texto: Denise Ritter (MTE 5584)

 

 

Publicado em 04/10/2017 às 17:10

Texto: Denise Ritter (MTE 5584)

BANCADA / zenunes

Compartilhar

Deputadas Estaduais

Stela Farias

Líder da Bancada

Stela Farias

Miriam Marroni

Vice-líder Partidária

Miriam Marroni

 

Deputados Estaduais

Edegar Pretto

Presidente da Assembleia Legislativa

Edegar Pretto

Luiz Fernando Mainardi

Vice-líder da Bancada

Luiz Fernando Mainardi

Tarcísio Zimmermann

Líder Partidário

Tarcísio Zimmermann

Endereço: Praça Marechal Deodoro, 101/506 - Porto Alegre-RS - Fones: (51)3210-2913 (Bancada) e (51)3210-1123 (Imprensa)
ptsul@ptsul.com.br

Projetado, desenvolvido e mantido pela coordenadoria da Bancada do PT/AL-RS

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Adaptada